sábado, 15 de abril de 2017

I´m messed up. I messed you up.

   Pelos vistos não foi preciso telefonar para termos a tal conversa.
   Estupidamente fiz-te vir a Lisboa para te dizer o que sentia, não planei mas aconteceu.
   Não foi agradável. Mas se não há amor não há nada a fazer como sempre ouvi.
   Fica a história contigo. Comigo. O que aprendi contigo e o que aprendi comigo mesmo.
   E como já estou cansado de sentir este loop a repetir-se, desta vez não me vou isolar. Seja para um café, para um encontro. Não vou ficar sozinho porque também não fiz mal a ninguém.
   O que quero sentir é o que sinto agora. Mais sozinho, mas a ser justo comigo e contigo.
   E a sentir-me crescer e a dar espaço para acontecer algo e sentir algo. Coisa que não sentia já há muito tempo.

   Posso ser um cabr**, mas tenho noção que fui um anjo durante muito tempo, e tu sabes isso.
   Eu sei que este texto parece algo directo demais, mas não conseguia falar de ti nem escrever na 3 pessoa.


Better or worse, something is coming.
Assim veremos o que acontece.




segunda-feira, 10 de abril de 2017

Wrong place, wrong app?

   O meu desabafo de hoje é algo peculiar para mim. Amizades.
   Não sou alguém que facilmente encontre amigos. Sei socializar e falar, mas amizades isso é outra história.
   Sofri bastante com mentiras à uns anos com as amizades que tinha, em particular com uma melhor amiga minha. E como na altura estava a conhecer  o L resolvi cortar o mal pela raiz. 
   Mas desde então tenho tido uma enorme dificuldade em me aproximar mesmo de alguém.
   Tenho pessoas conhecidas com quem falo de vez em quando, mas nunca são muito próximas de mim e acabo por não deixar ninguém entrar na minha concha.
   Sinto n vezes saudades e vontade de estar e falar com alguém próximo de mim. Mas na maioria dos casos assim que há oportunidade para tal afasto-me.
   Basicamente... estou rodeado de pessoas amigas do L, de pessoas na faculdade e no entanto, não tenho interesse em procurar amizades mais próximas nesses círculos. Suponho que seja estranho da minha parte.

   Bom, mas à uns dias,  para variar e como já o fiz no passado, voltei a instalar aquelas apps famosas...
   Eu acredito no potencial delas enquanto ferramenta para conhecer pessoas, e seja para engate ou não até já tenho falado com bastantes pessoas sem levar a isso (engates).
   Claro que ao falar nisto o L reagiu como já estava à espera... que ando à procura de quec*. Será assim tão difícil encontrar alguém que tenha gostos em comum comigo e que sinta que me consigo aproximar sem ser para levar para a cama? Se calhar peço o impossível.
   Como eu já sou uma pessoas de altas contradições, esta é apenas mais uma minha...
Mas embora encontre ou não quem procure, entretanto vou dando umas gargalhadas com estas ditas app´s...





sexta-feira, 7 de abril de 2017

Serei capaz?



If it hurts you will always remember.



Porque há coisas que pequenas que sejam nunca esqueço.




Riscos.

O L foi de viagem novamente à uns dias passar os anos com a família e entretanto já voltou para a terrinha.
Eu fiquei cá porque quis. Não me posso dar ao luxo de ir viajar em período de aulas. Já o fiz uma vez e custou-me a recuperar... 
No período em que esteve fora, para variar, tal como esta noite, senti-me sozinho. Resolvi responder à mensagem pendente de uma pessoa que já tentou a sorte mais do que uma vez em dois anos...(a ironia é que antes dele achar-me interessante, achava-o eu à 7 anos atrás... e entretanto à 5 conheci o L e estamos neste impasse de relação/não relação à quase dois anos.
Falamos e trocamos mensagens e ficamos de combinar um café. Que ainda não aconteceu por vários motivos. No fundo não sei se quero que o café corra bem ou se prefiro imaginar que irá correr pessimamente e queira fugir a 7 pés assim que me sentar.
Tem o potencial que sempre soube que tinha... e está disposto a mais comigo. Corro o risco?
Acho que já comecei a girar a roda do momento que respondi à mensagem...



Querer o melhor.


Quando voltei para Lisboa resolvi começar a pensar mais só em mim.
Sinto que cheguei a um ponto que me tornei mais egoísta do que o era. 
E não gosto. 
Mas não sinto que consiga mudar e voltar a ser o que era. Meio termo. Falta-me o meio termo. Quando o alcançar aviso-vos...

Ausência.

Em Janeiro ainda em exames e cheio de trabalho... eis que o que menos esperava aconteceu.
Uma pessoa que me era muito querida tirou a sua própria vida.
A surpresa e o choque não me podiam ter atingido mais fundo. Não consegui pensar nem desabafar da melhor maneira como agora o sou capaz. Mas acho que se começo a pensar demasiado nisso acho que vou abaixo.
Raiva. Pena. Angústia. Desgosto. Podia ficar aqui horas a tentar descrever o que senti e ainda hoje sinto.
No fim só tenho que tentar respeitar a tua decisão e o ar tranquilo como te vi pela última vez.

I will miss you P.C.B.


Um dia irei fazer memória ao que me deixaste enquanto pessoa e me transmitiste. Mas hoje ainda não é o dia. Ainda é demasiado cedo para te conseguir fazer justiça com meras palavras.